Crime aconteceu no conjunto José Sarney, na Zona Norte de Natal — Foto: Inter TV Cabugi/Reprodução

O policial militar que é suspeito de matar o próprio irmão e a cunhada a tiros em Natal se apresentou à Polícia Civil no início da tarde desta quinta-feira (20) à Polícia Civil. Como não havia mais flagrante, ele agora vai aguardar o julgamento em liberdade. O crime aconteceu na noite da terça-feira (18) no conjunto José Sarney, na Zona Norte de Natal.




O soldado é lotado em São Miguel do Gostoso, no litoral Norte do estado, mas foi afastado das funções e deve passar a dar expediente no Quartel Geral da PM, na Zona Leste da capital. Após se apresentar à Polícia Civil, inclusive, ele foi ao QG e entregou sua arma. Em seguida, também foi liberado.

A assessoria de comunicação da corporação disse que, além do processo criminal, o PM também vai responder a um inquérito administrativo.

Silêncio

Segundo a Polícia Civil, o PM chegou à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) pouco depois do meio-dia. Estava acompanhado de cinco advogados, e preferiu permanecer em silêncio, se reservando ao direito de só responder a qualquer questionamento em juízo.

O crime

Segundo a Polícia Civil, o PM teria entrado pelos fundos da casa e, armado, surpreendido o casal. A mulher foi atingida na cabeça e morreu na hora. Já o irmão do policial, foi baleado no abdômen e socorrido até a Unidade de Pronto Atendimento do Potengi. Porém, não resistiu aos ferimentos.

Carlos Alberto Ferreira tinha 53 anos, e a mulher dele, Maria de Fátima Alves da Cruz Ferreira, 48.

Segundo relatos de testemunhas, há 10 dias vários disparos foram feitos no portão da casa do casal.

A Polícia Civil também contou que recebeu informações de que, há alguns anos, os irmãos tinham uma empresa de manutenção de equipamentos de panificação. Porém, houve um desentendimento familiar e a sociedade acabou.

Após o fim do negócio, Carlos Alberto montou uma outra empresa no mesmo ramo, onde a esposa trabalhava como secretária. Essa briga, que terminou com o fim da sociedade, é a principal motivação do crime, segundo o delegado Frank Albuquerque, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Após matar o casal, o PM roubou o carro do irmão para fugir do local do crime. Em seguida, abandonou o veículo ruas depois.




DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here