‘Não me lembro’, diz idosa de asilo no RN sobre final de ano com a família

0
68
Lar da Vovozinha abriga 40 idosas com idades entre 60 e 101 anos (Foto: Andréa Tavares/G1)
Lar da Vovozinha abriga 40 idosas com idades entre 60 e 101 anos (Foto: Andréa Tavares/G1)

Sentada em uma das cadeiras da sala de televisão do Lar da Vovozinha, na capital potiguar, dona Rita, de 70 anos, relembra os momentos felizes vividos além dos muros brancos do asilo onde mora. Ela conta que tem uma família grande, mas não recebe muitas visitas. “Eu não me lembro mais como é passar Natal e Ano Novo com a família, mas agora elas são tudo o que tenho”, disse ela sobre as outras idosas com quem convive.

Com 33 anos de existência, o Lar da Vovozinha abriga 40 idosas com idades entre 60 e 101 anos. Elas vivem ali e aguardam ansiosas por visitas. “Nessa época do ano elas recebem muitos agrados. Quando têm família, algumas pessoas vem, mas muitas delas não têm mais”, afirma Lila Carvalho, coordenadora técnica do abrigo.

Para a moradora Damiana, de 89 anos, o Lar é especial, mas sequer lembra há quanto tempo está lá. “Anoitece e amanhece do mesmo jeito. É sempre assim”, conta. Damiana divide com suas companheiras histórias e compartilha da mesma saudade. “Eu tenho muitas amigas. É bom morar aqui”, relata.

qui”, relata.

Lar da Vovozinha Natal RN (Foto: Andréa Tavares/G1)O Lar vive de doações e ajuda de voluntários (Foto: Andréa Tavares/G1)

“Aqui a gente não conta tempo não, estamos sempre aqui. É isso”, disse Severina, de 81 anos, quando perguntada sobre há quanto tempo mora no Lar. Ela, que é natural de Nísia Floresta, na Grande Natal, conta que é importante fazer o que gosta, como dançar e cantar. “Eu gosto de receber visitas, faço muitos amigos, é muito bom conversar”, acrescenta.

Adora contar histórias. E ri. A cabeça não está muito confiável com o passado, mas sobre o dia a dia no Lar não tem dúvida. Espirituosa, dona Severina, canta e encanta. “Deus é amor, Deus é poder, sem Jesus ninguém pode viver”, canta um trecho após revelar seu amor pela religiosidade.

Lar da Vovozinha Natal RN (Foto: Andréa Tavares/G1)Dona Graciete mostra, com satisfação, seu lenço no cabelo (Foto: Andréa Tavares/G1)

Assim como Severina, a aposentada Graciete, 62, também encontrou no abrigo o amparo que precisava. “Eu vim para cá quando meu filho foi preso por maus tratos. Ele não cuidava dos meus machucados, que ficavam feios e doíam muito”, conta Graciete, que ainda carrega no corpo as marcas do abandono.

gifnovoMas, agora, a velhinha exibe um sorriso tímido quando recebe elogios dos visitantes. “Eu tô bonita?”, pergunta para quem passa. A simplicidade é um dos princípios que regem o Lar, não à toa muitas das senhoras se utilizam desse atributo para se fazerem felizes com aquilo que dispõe. Dona Graciete faz questão de exibir seus lenços, que já não podem mais ser amarrados tão fortes por causa de um AVC que enfraqueceu seus braços.

Quando vocês saem, parece um cemitério”
Maria Araújo, 79 anos
moradora do Lar da Vovozinha

”Quando vocês saem, parece um cemitério”, lamentou Maria Araújo, de 79 anos. Moradora do Lar há 4 anos, ela é natural de Caicó, município da região Seridó. O brilho nos olhos expressa a saudade que tem de casa, de uma irmã falecida, de sobrinhos e outros três irmãos. Ela conta que na noite de Natal não recebeu visitas, mas recorda com amor os presentes trazidos pela sobrinha dias antes. “Ganhei alguns vestidos longos e cortei pra ficarem mais curtos. E também dei para algumas delas. Muitas não recebem nada”, disse, referindo-se às outras senhoras.

Lar da Vovozinha Natal RN (Foto: Andréa Tavares/G1)“Muitas que chegam aqui não têm ninguém”, afirma Lila, coordenadora técnica do Lar (Foto: Andréa Tavares/G1)

“Geralmente elas chegam aqui em condições bem difíceis e através dos cuidados conseguem melhorar”, ressalta Lila. Com o trabalho diário, os profissionais acabam se tornando parte da família das idosas e muitas vezes sendo a única referência para elas, que já foram rejeitadas pela família e pela própria sociedade.

“Nós sabemos que muitas que chegam aqui não têm ninguém. Algumas têm a presença de familiares, mas outras não se tornam muito presentes. Estar com elas no dia-dia faz com que fiquem apegadas a gente, como uma amiga, é assim que eu me sinto, como um amiga delas também. Não me sinto sozinha e também não deixo elas sozinhas”, se emociona.

Lar da Vovozinha Natal RN (Foto: Andréa Tavares/G1)Dona Zeneide, de 80 anos, é uma das moradoras do Lar (Foto: Andréa Tavares/G1)

“Ernestina, graça das moças, alegria das meninas”. É assim que dona Ernestina se apresenta, sempre sorridente, faceira e com uma energia grande. Para ela, o importante é conquistar sorrisos por onde passa. “Na vida a gente tem que ser alegre, né?! Principalmente aqui”, diz.

O Lar é um refúgio para idosas que não têm para onde ir. Para dona Francisca Maria, de 91 anos, a vida não foi fácil. “Não queira chegar à velhice assim como eu não”, fala entristecida. Segundo ela, não teve estudos e perdeu a mãe quando tinha quatro anos. “É o jeito estar aqui”, desabafa.

Doações
Segundo a coordenadora técnica do Lar da Vovozinha, Lila Carvalho, os recursos financeiros não são suficientes para dar conta dos 20 funcionários, despesas com alimentação, contas como água, luz, telefone, internet e manutenção da casa. Por isso, parcerias com doadores individuais, instituições da sociedade civil e empresas são fundamentais para fechar as contas no fim do mês.

Lar da Vovozinha Natal RN (Foto: Andréa Tavares/G1)“A visita é fundamental”, diz Lila Carvalho, coordenadora do Lar (Foto: Andréa Tavares/G1)

Tão importante quanto a doação de alimentos, a dedicação de tempo e atenção para as vovozinhas também são itens de primeira necessidade. “Essas doações são a parte material, mas também tem a doação afetiva. A visita da sociedade é fundamental”, frisou Lila Carvalho. Qualquer entidade ou grupo informal pode agendar atividades com as idosas pelo telefone.

Serviço
Lar da Vovozinha
Avenida Antônio Basílio, 1264. Bairro: Dix-sept Rosado.
Telefone: 3223-1907.
Horário para entrega de doações:
8h às 17h de segunda a sexta-feira; 8h às 16h no sábado e domingo.

Do G1 RN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here