Henrique Eduardo Alves (PMDB) (Foto: Canindé Soares/G1)

O ex-ministro do Turismo e ex-deputado federal do Rio Grande do Norte Henrique Eduardo Alves (PMDB), e o ex-ministro da Integração Nacional e ex-deputado federal pela Bahia, Geddel Vieira Lima, são citados em delações da Odebrecht que deram origem a “Lista de Fachin”. Segundo delatores, os políticos são suspeitos de receberem R$ 112 mil e R$ 210 mil respectivamente em 2010. Os colaboradores relatam acordo de mercado entre empreiteiras na obra Tabuleiros Litorâneos da Parnaíba, no Piauí.


A informação seria corroborada pelos documentos relativos às trocas de emails entre as empreiteiras envolvidas na obra e os agentes públicos.

Ao G1, Henrique Alves disse que desconhece completamente a motivação do processo, mas que tem certeza de que tudo será esclarecido e o processo arquivado. Já Geddel, disse que não tem nada para comentar sobre o caso.

‘Lista de Fachin’

Henrique Eduardo Alves (PMDB) (Foto: Canindé Soares/G1)

Ao todo, 201 pedidos de inquérito foram remetidos a instâncias inferiores da Justiça Federal em todo o país. Relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Edson Fachin também determinou a abertura de 76 inquéritos contra políticos e autoridades com base nas delações de ex-executivos da Odebrecht, informou a assessoria do STF.

O ministro enviou de volta à PGR outros 11 pedidos de investigação para nova análise. Outros 25 pedidos foram mantidos sob sigilo, por risco de atrapalhar as investigações. Foram arquivados 7 casos envolvendo autoridades, a pedido da PGR, por falta de indícios da ocorrência de crimes.




Em nota referente a todo o conteúdo das delações de ex-diretores da empresa, a Odebrecht disse entender que “é de responsabilidade da Justiça a avaliação de relatos específicos feitos pelos seus executivos e ex-executivos”.

“A empresa colaborou com a Justiça, reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades brasileiras e da Suíça e com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas”, diz o texto.