Foto: Reprodução/ Record TV Itapoan

Há três meses, uma família de Salvador sofre a perda do bebê. Alessandra Figueiredo estava grávida de Maria Alice, mas a criança sobreviveu apenas 40 minutos após o parto. A família acredita que o bebê morreu após erro médico.

Alessandra contou que, nos últimos dias da gravidez, não estava sentindo o bebê mexer e procurou o médico. Ela estava sendo atendida na Maternidade de Referência José Maria de Magalhães, localizada no Paú Miúdo, onde foi atendida por uma médica, mas a profissional não fez nenhum exame.

A médica teria dito apenas que a criança era preguiçosa e que a gestante deveria voltar apenas se tivesse sangramento ou contrações entre 10 minutos. A única recomendação foi de que a gestante fizesse caminhada.

A mãe de Alessandra contou que, ao nascer, a criança não chorou. Percebendo que havia algo de errado, tentou esconder a recém nascida da filha, dizendo que a menina tinha sido levada para outra sala.



Porém, de acordo com a avó da criança, a mesma médica retirou a cortina de proteção e disse a Alessandra que Maria Alice estava morrendo.

A mulher contou recebeu apoio do resto da equipe médica, que aparentava ter se incomodado com o comentário da profissional. Ao ser constatada a morte da bebê, cerca de 40 minutos depois, algumas técnicas de enfermagem teriam chorado enquanto finalizavam o procedimento.

Alessandra e a mãe acreditam que, se algum exame tivesse sido feito na primeira consulta, o bebê estaria vivo. A família está processando a maternidade.

Com tristeza, a mulher ainda guarda as roupas de Maria Alice, mas diz que pretende doar.

— Ela não chegou a vir. Não chegou a dormir nesse berço. Não chegou a vestir as roupas que escolhi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here